Créditos de carbono
a partir de florestas
conservadas

A CBA e Reservas Votorantim emitem o primeiro crédito de carbono por meio do Legado Verdes do Cerrado, uma reserva privada de desenvolvimento sustentável que será a primeira área a integrar o Programa REDD+ Cerrado

Créditos de carbono
a partir de florestas
conservadas.

A CBA e a Reservas Votorantim vão emitir o primeiro crédito de carbono por meio do Legado Verdes do Cerrado, uma reserva privada de desenvolvimento sustentável que será a primeira área a integrar o Programa REDD+ Cerrado.

Localizada em Niquelândia (GO), a área possui 32 mil hectares, tamanho aproximado à cidade de Belo Horizonte (MG), dos quais 11,5 mil hectares serão destinados ao projeto, com capacidade de emissões médias anuais de 50 mil créditos de carbono.

Na primeira emissão, serão gerados 316 mil créditos de carbono, referentes ao período de 2017 a 2021.

O REDD+ Cerrado é uma iniciativa pioneira no país e no mundo, que contou com consultoria da Era (Ecosystem Regeneration Associates) e da Eccon Soluções Ambientais no desenvolvimento e implementação do projeto.

É um passo importante na consolidação do Brasil no mercado voluntário internacional de carbono.

A CBA é fundadora e mantenedora do Legado Verdes do Cerrado, possui um dos mais baixos índices de emissões de CO2 do mercado global de alumínio e tem como objetivo reduzir suas emissões de CO2 em 40% até 2030.

Como líderes, temos a responsabilidade em atuar como agentes da mudança, engajando o mercado e a sociedade na implementação de práticas ESG.

Os créditos gerados pelo REDD+ Cerrado chegam ao mercado com certificação Verra, padrão com reconhecimento global.

O primeiro leilão dos créditos de carbono do Cerrado acontecerá a partir de 30 de agosto e as propostas serão recebidas até o final de setembro.

O resultado será divulgado em outubro e nosso objetivo é fidelizar empresas que pretendam usá-los nas suas estratégias de descarbonização.

Quer receber informações atualizadas sobre a
CBA, inscreva-se na nossa newsletter.